Liderança quilombola assume diretoria de cultura em Santana do Riacho

A Comunidade Quilombola do Açude, localizada na Serra do Cipó, agora tem um representante na Secretaria Municipal de Educação e Cultura da cidade de Santana do Riacho, na região central mineira. Flávio José dos Santos, o Mestre Cuta, é o novo Diretor de Cultura do município.

Cuta tem um histórico de luta e de contribuições para as comunidades quilombolas da região da Serra do Cipó, há mais de 20 anos. É agente cultural e produtor de eventos, mestre em saberes tradicionais, professor de dança e de percussão, artesão em instrumentos africanos e também bailarino profissional.
O Diretor de Cultura destaca como contente em assumir o cargo e poder contribuir com o cenário cultural da cidade. “É uma honra muito grande fazer parte da Secretaria de Cultura. É um trabalho que eu já vinha fazendo de forma voluntária dentro da Serra do Cipó e na região. Ter o reconhecimento e mais apoio para o trabalho é algo que o nosso povo quilombola precisa”, comenta Cuta.

No cargo, Cuta destaca que os trabalhos já foram iniciados e alguns objetivos propostos. “Estamos fazendo um diagnóstico cultural do município para avaliar tudo o que está sendo produzido de cultura, de culinária, gastronomia e artesanato dentro da cidade”. 
Quilombolas vivem tanto na cidade de Santana do Riacho quanto na cidade de Jaboticatubas. Ele destaca como essa será uma das demandas em seu trabalho, para atender também essa população em ambas localidades.

VISIBILIDADE E RECONHECIMENTO

 Um dos principais objetivos é trazer mais visibilidade para o cenário cultural da região, incluindo a Comunidade Quilombola do Açude. Para ele, esse reconhecimento também precisa incluir a cultura e os valores tradicionais e das religiões de matriz africana, que acabam sem a valorização e o destaque necessário.

O Quilombo do Açude é uma das comunidades mais tradicionais mineiras. Localizada na Serrá do Cipó, Realiza a festa do Candombe, um dos patrimônios e celebrações que marcam e destacam a comunidade no Brasil, com tambores, cantos e afetos. Neste momento de pandemia teve participação reduzida em suas festas e celebrações.

matéria: estado de Minas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *