TCU vai investigar interferências no ENEM

O Tribunal de Contas da União (TCU) abriu um procedimento para apurar se houve interferência no órgão responsável por organizar a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A decisão foi tomada na última quarta-feira (17).

No início deste mês, 37 funcionários pediram demissão do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Uma semana depois, em viagem a Dubai (Emirados Árabes), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que as questões do Enem “começam agora a ter a cara do governo”.

Conforme o site do TCU, o processo vai apurar “possíveis irregularidades na organização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021, especialmente acerca de fragilidade técnica e administrativa relacionadas às interferências na gestão do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)”.

Ainda conforme o site do tribunal, a condução do procedimento ficará com a Secretaria de Controle Externo da Educação, da Cultura e do Desporto. O relator do caso será o ministro Walton Alencar Rodrigues.

Ministro nega interferência

Na última quarta (17), o ministro da Educação, Milton Ribeiro, compareceu a uma audiência na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e negou interferência política na organização do Enem.

Aos deputados, Ribeiro disse que, ao afirmar que as questões começam a “ter a cara do governo”, Bolsonaro quis declarar que o Enem terá a cara do governo “no sentido de competência“.

No mesmo dia, durante viagem ao Catar, Bolsonaro afirmou que não teve acesso às questões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *